domingo, 19 de abril de 2015



  “ À VOLTA DO MUNDO “
                                                                      
 (14 DE ABRIL A 23 DE MAIO DE 1995)
                                                                     


Fez no dia 14 de Abril de 2015 vinte (20) anos que iniciei a minha viagem à 'Volta do Mundo', e duraria até 23 de Maio.

Muito resumidamente foram:

* 5 Continentes
* 11 Países
* 20 Cidades
* 9 Ilhas
* 11 Aeroportos
*5 Companhias Aéreas
* 9 Moedas Nacionais
* 16 Meios de Transporte
* 3 Cruzeiros
* 8 Tours
* 46 dias
* 53,25 horas de avião

para além de uns 3500 kms de estrada, umas 35 a 40 mil milhas percorridas, 6 cassetes de vídeo, 4 rolos de fotografias e 1.450 contos despendidos!

Aqui fica o Diário de Viagem, sem qualquer alteração ou correcção:


 


 DIÁRIO DE VIAGEM

 ( Às minhas filhas  FILIPA e RITA)



ABRIL, 14

Parti do Aeroporto Sá Carneiro, no PORTO, às 14H40, para LONDRES, onde cheguei às 15H40 (hora local , após 2 hrs de voo.

O tempo está excelente, cerca de 17 graus centígrados, mas no Porto faziam 22 graus.

Chegado ao Hotel Eden Park, em Bayswater, deixei as malas e fui até CONVENT GARDEN / SOHO / PICCADILLY.

Jantei pela primeira vez comida japonesa (Sushi Set com águas Perrier). Não gostei muito. Regressei cedo ao hotel. São cerca das 23 horas e estou a ver o filme “ Amadeus “.


ABRIL, 15

Hoje fazia um pouco de frio e ameaçou chover todo o dia.

Fui até à Torres de Londres, ao Cais do Tabaco e a Chelsea. Realmente esta cidade é a cidade europeia do ‘ shopping ‘ por excelência, e do bizarro (mas com algum sentido de humor). Neste último bairro estive no Hipper, que é um espanto: 100 % punk e retro.

Jantei pela primeira vez comida mexicana (Mexicali- tortilha de carne, com feijões, arroz e picante e Nada Colada, como bebida).


ABRIL, 16

Andei para trás e para a frente! Mas não parei, pelo que fiquei bem cansado. Fui ao Hyde Park filmar, mas fazia um frio de rachar. Foi um dia de Páscoa bem diferente do do ano passado, em que estive aqui com as Filhas.

Cedo fui para o Aeroporto de Gatwick e, para meu espanto, o check-in era uma hora antes... do que constava no bilhete. Usei vários transportes entre as 18 e as 22 horas: metro (até Vitória Station), comboio expresso (Gatwick Express até ao aeroporto), monorail (no aeroporto) e, por fim, avião. Saimos à s 21H50, após longa espera.

Fizemos uma paragem técnica em ROMA, ás 23H40 (hora local), onde estivemos 1H10, saindo ás 0H50 (local 1H50) para chegar ás SEYCHELLES IS. (VITORIA em MAHÉ IS.) ás 8H30 (11H30 locais).

A viagem foi boa, com bom serviço, excelente vinho (Rozendaal “ Chemin Blanc “ 12º Africa do Sul) e óptima hospedeira criola (Nadia).

Ufa! Que calor. Faz 30ª.


ABRIL, 17

Estou no Hotel. A primeira impressão é péssima. (Os serviços da Pam Tours também). Mas a segunda, após a passagem do dia, é a de que é menos mau.

As SEYCHELLES assemelam-se a Cuba, mas com um custo de vida (para o turista) três vezes superior: uma cerveja nacional 18 rupias (~660 esc.), um jantar no hotel 155 rupias (~5000 esc.), uma bebida 25 rupias (~825 esc.). E as pessoas aqui são menos simpáticas. Já estão absolutamente corrompidas pelo dólar. De resto é tudo muito parecido. Até o policiamento, que aqui até se nota dentro do hotel. Só ainda não sei se é privado ou público.

A tarde passeia na praia, com alguma chuva e o primeiro banho da época e no Ìndico.Estão alguns portugueses (8) mas o restante são alemães e italianos.


ABRIL, 18

O dia começou, pelas 10H00, com um bom prato de frutas frescas tropicais, algumas das quais ainda não sei o nome, e comi pela primeira vez.

Fui até uma praia distante, a pé. Só se vêm homens e mulheres com crianças, o que me leva a crer que só as mulheres trabalham e os homens solteiros. Bem avançados!

Vi quatro cães a brincar com os peixes no mar, a mias de 100 metros de distância! Foi giro, pena não ter uma máquina. O fim de tarde está mais ameno do que ontem.


ABRIL, 19

Hoje foi o dia das primeiras viagens de reconhecimento pela ilha, para sul e oeste, de transporte público. São umas caminhetas de origem indiana, que levam 3 rupias qualquer que seja o trajecto.

Começei por parar em ANSE ROYALE, só frequentada por autóctones. Asseguir fui até BAIE LAZARE, onde os Franceses aportaram pela primeira vez. É muito bonito. Fica na costa oposta e é bem frequentada. Por último, fui à capital VITORIA, passando antes pela segunda cidade PLASSANCE .

A capital com 20000 hab. é pequena, mas já tem aspecto citadino, com bancos e supermercados, os primeiros dos ingleses e os segundos dos indianos.

Vi ‘ Seichelloisas’ com muitíssimo bom aspecto. Tomei uma cerveja no Pirate’s Arms. São 18,30 e vou-me preparar para jantar. Tenho que me deitar cedo, pis que amanhã parto para a ilha de LA DIGUE ás 6,40 da manhã.

Refira-se que o refrão ‘Sol a Sol’ se aplica aqui: a vida começa com o nascer do Sol (6 Hrs) e termina ao pôr do Sol (18H30).


ABRIL, 20
 




Foi um interessante dia com ida de barco à Ilha de LA DIGUE.  

Vi a praia ‘ex-libris’ - ANSE SOURCE D’ARGENT -esta sim, paradisiaca.




Como excursão fomos visitar uma fazenda colonial de cacau e vaunilha, esta pouco, onde se situa a casa colonial em que foi filmado o primeiro ‘ Emmanuelle ’, e fiz amizade com uma tartaruga gigante. Ah! Começamos por andar de taxi puxado a bois (para inglês ver e turista também).
                                  

ABRIL, 21

Amanhã, pelas 19H35, parto do Hotel.

Hoje praticamente choveu todo o dia. De manhã, tomei um meio banho, pois faltou a água. Fui para a praia, onde passei a manhã dentro de água, mesmo a chover, E deu para ver um pequeno tubarão morto, que os há mais para o mar a dentro.Para além de uns tipo biqueirões, que andam sempre a saltar, a um metro de nós. De tarde, fui comprar o ‘pareo’ para a Filipa e a t-shirt para a Rita, em VITORIA. Depois, dei uma volta de autocarro pela zona norte, este e oeste, de Glacis até Beau Vallon, atravessei a ilha pelo monte (Foret Noire) até VITORIA. Por último, parti desta até ANSE ROYALE e ANSE BOILEAU, no sul. Fiquei praticamente a conhecer toda a ilha, menos a zona central para oeste.

Uma frase no autocarro ‘ MANZ BYEN POUR VIV BYEN SANS LALKOL ‘ de uma campanha que tem por lema: ‘ I SIPORT PREVANSYON MALADI KARDYOVASKILER’...em criolo, claro!


ABRIL, 22

Último dia passado nas ILHAS SEYCHELLES.

Continua a chover, ainda que mesmo assim tenha ido á praia.

Duas autóctones (22 e 28 anos de idade) meteram conversa. A vida para eles não deve ser nada fácil. A mais nova só sonhava com jogadores de futebol, das selecções argentina e italiana, bem como emigrar para Roma.

O Presidente é um ditador e está no poder há 15 anos, a ‘ encher-se ‘. Depois li no jornal local ‘ Nation ‘ (orgão oficial) que a economia está estabilizada e que ele a pretende privatizar aos poucos. Como, é óbvio, não será para bem do povo. Ah! até a empresa de criação de galinhas é do Estado. Não exageremos.

Em conclusão, ilha interessante, para turismo caro, com um local efectivamente paradisíaco - Anse Source D’Argent - , com algumas raparigas giras, mas que o Fidel a visite rapidamente !


ABRIL, 23




 
 Ínicio da terceira etapa: SINGAPURA.
                                                                                 
Após mais sete horas de avião e três de aeroporto, aqui cheguei.

É uma cidade enorme. Começa no aeroporto, que além de grande é supermoderno e chique. De longe o mais impressionante que vi até hoje.

Após uma viagem até ao hotel, de taxi, em que deu para ver as zonas de lazer e residênciais, tomei um banho e fui ‘ pela cidade ‘. No TRM (metro) vi uma asiática e duas europeias bem engraçadas, mas mais nada no dia todo, e também uma simpática indiana. Fui até Chinatown e Little India. Esta impressionou-me bem mais do que a primeira. Amanhã continuarei e na 3ª feira, dia 25, tenciono ir a MALACA e, à noite, Orchard Road. Que loucura! Mas apartir das 21H30, chapéu! Mas até lá é só ‘shopping ‘!


ABRIL, 24

Fui, de manhã, até à Arab Street de que gostei. Tentei ir a uma mesquita e não me deixaram entrar...por estar de calções!

Vi lojas de sedas espectaculares.

À tarde, fui de Cable car até à ILHA DE SENTOSA, depois de ter almoçado num restaurante indonésio. A Ilha é um centro de divertimento. Andei de Monorail à volta da Ilha, fui à praia (com óleo como as nossas), andei numa ponte suspensa de corda até ao ponto mais setentrional do continente asiático (era o que dizia a tabuleta), e, finalmente, fui ao Underwater, que é um impressionante aquário, com uma zona circular, com uns 50 mts, em que os peixes (tubarões, raias gigantes, moreias, atuns, etc) andam ao nosso lado e por cima de nós. Fiquei de tal modo entusiasmado, que dei duas voltas.A não esquecer.

Vou-me deitar pois amanhã vou ás 7H45 para MALACA. Mas este dia não correu muito bem: fiquei sem pilha à ida para a Ilha e não cheguei a tempo de telefonar.

 
ABRIL, 25

Após um retemperador chá no hotel, a que se seguirá os preparativos do arrumo de malas, um banho e cama.

Amanhã, de manhã, é a última volta por SINGAPURA. À tarde parto.

Levantei-me ás 6H30 para ir de Expresso até MALACA ver os vestígios portugueses.













Queria um tour, mas como disse, não foi possível. Saído ás 9hrs, chegamos a MALACA pelas 13H00, após as exigências de duas fronteiras. A cidade é miserável. Fica a 250 kms da fronteira, junto ao rio Malaca e respectivo estreito de mar. O percorrido deu também para ver o que toda a MALÁSIA será (esgotos a céu aberto, etc). A parte velha está bem conservada, graças aos holandeses e ingleses, que nos substituíram. De nós restam as ruínas
da IGREJA DE S. PAULO, onde S. Francisco Xavier esteve antes de ir para Goa, e a PORTA DE SANTIAGO ( a ‘Famosa ‘ ), que pertencia à fortaleza, um quartel e uma igreja , mais recentes. Na Igreja vi duas tampas mortuárias portuguesas. Depois foi o regresso.


ABRIL, 26 e 27

Foi uma de ‘shopping‘ durante a manhã.

Comprei os relógios, os perfumes e a te - shirt por mero acaso. Não era o que tinha em vista, mas aconteceu.

Às 14,30 cheguei ao aeroporto onde andei para trás e para diante até às 17,00, hora a que entramos para o avião, que apenas partiria às 17,50 para RANSPORE no BALI, onde comprei um ‘saron’. Partimos às 22,50, logo mais 3 horas de aeroporto e chegamos 5,20 horas após a SYDNEY (6,20 horas locais).

Esta cidade parece-me pouco agradável, vamos a ver.

Impressionou-me a sujidade e o ambiente soturno, assim como o hotel, que só tem exterior (fachada).


ABRIL, 28

Comecei este meu 50º aniversário telefonando à Ana, às 4,00 horas da manhã daqui, 20,00 horas em Portugal, pelo seu 24º aniversário. Bonito!





Depois fui até WATSON BAY à procura de uma praia. Dei com LADY BEACH, para nudistas, mas só tinha velhos.

Dei uma volta pelo SYDNEY HARBOUR PARK, filmei o Pacífico e fui a outra praia.

Estava razoável. Asseguir fui até à zona antiga, CIRCULAR QUAY e ÒPERA. É uma bonita zona, de cais, toda reconstruída. O edifício da Òpera corresponde ao esperado.

À noite vou jantar ao Hard Rock Cafe.

Fui, estava cheio. É maior e mais giro do que o de Singapura.

Depois de uma volta a pé, fui até ao QUEEN VICTORIA BUILDING. A Ruca Malheiro tinha-me falado que era um dos Centros Comerciais mais ‘ chiques ‘ e bonitos. E é mesmo verdade. No domingo vou lá filmá-lo.

Como nunca tinha andado de metro, vim para o hotel no aqui chamado City Rail. Tem dois andares, tipo TGV francês. Não me recordo de outro no género.


ABRIL, 29

Como previsto fui fazer o tour pelas BLUE MOUNTAINS.







A primeira etapa foi o AUSTRALIAN WILDLIFE PARK, ver a fauna característica deste Continente: Coalas, Cangurús, Répteis, Aves, etc. 

Os coalas são um mimo.



Depois, fomos até às vistas de montanhas ver os Great Canyon australianos... com àrvores. São espectaculares, ainda que as THREE SISTERS o sejam menos.

                             
  

Seguimos para KATOOMBA onde andei no Skyway, que faz lembrar o que existia na ilha da Madeira.

Percorremos várias zonas do NATIONAL PARK, almoçamos em LEURA e passamos no regresso por várias localidades interessantes, entre as quais RICHMOND e WINDSON, esta com a sua pista de corridas de cavalos e aeroporto desportivo.

Chegados à cidade, por norte, tive a oportunidade de ver uma vista nocturna fantástica.

No hotel, surpresa das surpresas, um fax do IAPMEI.

É gratificante. O do Àlvaro já esperava.


ABRIL, 30



Levantei-me cedo e fui à famosa praia dos surfistas: BONDI BEACH.

É um imenso areal,



com muita gente e surfistas, ainda que o mar não ajudasse. A água é fria, como a de Âncora, e o pôr-do-sol é realmente para oriente, ou seja, ao contrário do daí.

Depois de comer qualquer coisa, e descansar, fui ao AQUARIUM de SYDNEY. Fiquei desiludido pois em comparação com o de SENTOSA (Singapura) é inferior. Apenas tem a mais as focas e, como é óbvio, peixes diferentes. E, é bem maior.

À noite, vou à zona que descobri ontem e depois preparar a mala.Amanhã parto para AUCKLAND.


MAIO, 1

Mais uma partida.

Cheguei ao aeroporto para fazer o chek-in e entrar às 14,30, sendo a partida para as 17,35. Mas apenas se deu às 18,30. Que desorganização a Air New Zealand !.

E a entrada, ou melhor, a saída do aeroporto!

A mais complicada até agora.

Cheguei às 23,30 locais, ou seja, após 3 horas de voo. E a melhor é que quasi não arranjava transporte e não fazia a mínima ideia onde ficava o hotel. Finalmente arranjei um taxi (colectivo) com mais 4 pessoas, e logo um casal inglês, de idade, e um norueguês, que também andavam à volta do mundo. Mas com mais tempo. O hotel (motel) é razoável, serve para dormir.

Como tive que adiantar o relógio mais duas horas, agora a diferença para aí são apenas 10 horas.


MAIO, 2

AUCKLAND é uma bonita cidade. É a segunda do país, com cerca de um milhão de habitantes. Apenas perto do porto, e no centro da cidade, é em altura. No restante é baixa, com muita qualidade de vida, um comércio de alto gosto, muito design próprio e raparigas  ‘ de estoiro ‘.

Hoje no ROMA´S CAFE fui atendido por uma jovem giríssima.

Depois fui de ferry até DAVENPORT, uma pequena cidade costeira, em frente a esta. Muito bonita e, sobretudo, calma.


MAIO, 3

Levantar às 6,00 horas e partir às 6,45 para ROTORUA, a cerca de 250 kms, passando por WAIKATO, HAMILTON e CAMBRIDGE.

Paramos cerca de 2 horas. Depois em HAVEN LAKE. Em seguida visitamos a RAINBOW FARM, para assistir a algumas cenas de vida campestre, com carneiros e vacvas, de relativo interesse. Os asiáticos deliravam.

Passamos ao RAINBOW SPRINGS, parque de criação de trutas e com pássaros, onde vi o famoso Kiwi, ave noctívaga e em ambiente sem luz.

E, finalmente, fomos ao Instituto Maori ver artefacto e o seu ambiente.
















 Trata-se de uma região no interior de um vulcão, sulfurosa, onde vi geisers,






 fumarolas, águas quentes e terras movediças. Gostei. O cheiro era atractivo! Entretanto, começou a chover, e no regresso apanhamos bichas de automóveis com mais de 20 kms até AUCKLAND bonito! O que vale é que dormi. Jantei num ‘ mexicano ‘ ( chimichanga e batido de banana ).


MAIO, 4 e 5

Passeio pelo centro da cidade e apenas a compra do anel com camaféu para a Ana. Vi talvez um melhor em Londres, mas posso vir a não dar com a loja. Apenas falta para o Pai e João comprar lembranças, já que para as ‘ donas ‘ espero fazê-lo em LA e LONDRES ( Calvin Klein e Spirit ).

Vou-me preparar para a partida.

Levantei-me uma vez mais às 6,15 horas. Enganei-me na hora do avião. Assim, cheguei ao aeroporto às 7,30 e o avião partia às 10 horas.

A chegada a NADI foi às 12,30 horas, mas estive na polícia aduaneira até às 14,30, pois não tinha....visto. Ora Londres disse-me que não era preciso e não li o contrário.

Mas esta estadia vai ser para esquecer!

O hotel é razoável, ao nível dos ilhéus é médio, de apoio ao aeroporto, logo, longe de tudo.

Mas esta ilha parece que só tem uma praia razoável (NATADOLA BEACH) a meia hora de automóvel. As outras praias localizam-se nas restantes 300 ilhas!

As FIDJI são um ‘ bluff ‘, devem ser óptimas para os veleiros!


MAIO 6, 7 E 8

Cedo tomei um ‘ bus ‘ para LAUTOKA, segunda cidade das Fidji.

A região norte é só cana do açucar, sendo este o porto de saída, e a razão do seu desenvolvimento.

Era dia de mercado e ‘ shopping ‘, pelo que andavam as  ‘ belezas da terra ‘ todas na rua. O mercado e a zona costeira tem algum pitoresco e beleza.

O domingo é completamente parado. Passei -o na piscina e a imaginar que fazer.

Telefonei pela 2ª vez para a Dulce, mas só `a terceira tentativa consegui: eu a deitar-me e eles a levantarem-se.


Hoje, segunda-feira, fui a SIGATOKA,







 na CORAL COAST, caracterizada por ser a zona de transição entre a cana do açucar e pomares e pinheiros.

           














A costa é bonita. E, tive a sorte de fazer um espectacular percurso de ‘bus', de mais de 50 kms, por estradas de pedra solta e costa. Colossal! Valeu o dia!

 A cidade é bonita, porque tem rio e mar. Gostei.

Almoçei ‘ curry ‘ de galinha no “ The Cafe “.

Amanhã é dia de cruzeiro a MALOLO LAILAI ISLAND.


 MAIO, 9

Foi dia de cruzeiro, num veleiro com 25 metros e quatro velas.



Eramos poucos. Estamos na época baixa de turismo.
 
Saímos às 10 horas e chegamos a MALOLO LAILAI, à PLANTATION IS RESORT um quarto para o meio-dia.




                                              
Estava um belo dia, com uns 28º. Após um banho na laguna e primeiras impressões com a baía, almoçei e voltei para a praia.



                                              
A baía é lindíssima e o local também, ainda que mesmo assim estando muita gente. A baía é de postal! Aquilo que se imagina realmente ser as ilhas paradisíacas do Pacífico, mas que....só de barco e um bom operador turístico, que conheça o produto que vende para aconselhar. É que foi o primeiro sítio que acho que os ingleses podiam ter aconselhado melhor. De qualquer forma, estes locais para ‘o isolado’...são isolamento a mais!

Mas gostei bastante, subiu a segundo lugar nas minhas preferências.

No regresso viemos ‘à bolina ‘ com as velas zarpadas. Foi uma experiência bem agradável. Valeu a pena, porque me deu outra imagem das FIDJI.

 
MAIO, 10 (DUPLAMENTE VIVIDO!! )

A maior experiência da minha vida!!!

VIVER UM DIA .... DUAS VEZES!

Como?

Sai de NADI às 19,50 horas, depois de ter chegado ao aeroporto às 18,00 horas e ter passado o dia na piscina do hotel, após uma pequena fugida a NADI.

E, aqui começa. Chegamos a HONOLULU às 1,30 horas (3,30 horas locais .... do mesmo dia 10 ! ).

Porquê?

 Porque algures a ocidente do HAWAI, no Oceano Pacífico, existe uma linha de data (DATE LINE), que define a fronteira entre o primeiro fuso ( de Greenwich ) e o ùltimo fuso ( 24 ). Assim, se até essa linha eu vivia 12 horas mais tarde do que em Portugal, a partir dela passei a viver 12 horas mais cedo.

Como consequência não tinha hotel para ‘repetir’ a noite de 9, mas só para 10. Eram 5,00 horas da manhã e o problema resolveu-se. Inesquecìvel, esta experiência!




Assim, passei este novo (repetido) dia de 10 de Maio na praia de WAIKIKI,


na ILHA DE OAHU, no HAWAI, que é espectacular. E, esta cidade e o hotel também o são.

Contarei mais.


MAIO, 11  e 12




Passei a 5ª feira praticamente na praia de WAIKIKI.




Esteve um dia óptimo. Ao fim da tarde fui à cidade antiga (Downtown) e à ChinaTown. Esta é de  ‘ cortar à faca ‘. Só prostituição barata, casas de videosexo e droga. Fiz logo meia- volta.  

À noite, passeei na Av. de Kalakaua que iluminada é simplesmente espectacular.

Hoje, 6ª feira, fui fazer um tour até PEARL HARBOUR, ao Uss Arizona Meorial e pela cidade. Após um filme documental sobre o 7DEZ1941, ataque ‘ japa ‘, interessante, fui ao Memorial numa lancha da Uss Marine. O Memorial está construído transversalmente ao Arizona, podendo-se ver significativamente o que deste é visível debaixo de água. IMPRESSIONANTE, ainda para mais que os ‘ americas ‘ exploram bem o sentimentalismo.

O resto da cidade é realmente espectacular, excepto a LUSITANA AVENUE. Pobre!


MAIO,13




Ùltimo dia em HONOLULU, logo na praia de Waikiki,
 
que aproveitei para fazer um pequeno cruzeiro,










                                                                      




 de meio dia, num catamaram. Foi espectacular, pois que a ondulação era alta e aquilo baloiça que se farta.

 


 Logo, só banho. Vimos uma tartaruga de alto mar, na sua rota.

Depois fiz uma praínha e nem almoçei. O dia estave óptimo, a maré é que estava alta, logo os banhos eram assim, assim.

Já tomei um banho no hotel e preparo-me para jantar e compraras últimas coisas para a Rita.

Amanhã às 3,00 horas levanto-me para tomar o avião às 6,00 horas até LA e SANTA MÓNICA BEACH.


MAIO, 14

Cá estou nos ‘ States ‘, em LA.

O aeroporto é uma confusão, sem qualquer apoio informativo, pelo menos nos ‘domésticos‘.

Lá consegui um ‘ shuttle ‘ até SANTA MONICA.





Sai logo para ir ver o famoso OCEAN FRONT WALK que passa pelas não menos famosas praias de MALIBU, SANTA MÓNICA, VENICE e MARINA DEL REY.São uns bons quilómetros de ‘ promenade ‘ que fiz. Fiquei desiludido com Venice Beach que está completamente degradada e cá com uma ‘ fauna ‘!

No regresso vim pela MAIN STREET que tem um ‘shopping‘ de nível. Mas é evidente que na marginal se vê cada coisa, mas mesmo para ‘ dar no olho ‘!

O hotel é bom, mas exorbitante e demasiado afastado. Fica a mais de 1,30 horas de ‘downtown‘, onde irei amanhã.


MAIO, 15

Esta manhã foi para esquecer!




A pior experiência desta viagem...até agora: choveu ‘a cantaros‘ toda a manhã. Entre o hotel e a paragem do ‘bus‘ (200 metros) fiquei totalmente encharcado e com os pés a ‘boiar‘ (já me aconteceu o mesmo em Paris). Acabei por comprar 2 pares de meias e pôr pedaços de saco de cplástico nos sapatos... e comprar um guarda-chuva...tudo isto para passear (bem como meia dúzia de outros turistas!) em BEVERLY HIILS (RODEO DRIVE) a ver as casas dos costureiros e joalheiros famosos, sem ter tido coragem de ir a HOLLYWOOD nem a SUNSET BLVD.

Regressei a SANTA MONICA, já com uma tarde com sol, como se a manhã não tivesse estado como esteve, à 3th Str- PROMENADE




 rua fechada ao transito, com ‘beautiful‘ cafés e pessoas.

À noite fui ao CONGO CAFE com música e poesia ao vivo. Giro!

Amanhã temos um dia de aventura: 12 horas de ‘bus‘ até S. FRANCISCO!


MAIO, 16




Parti de ‘bus‘ (Greyhound Line) às 10,30 horas para S. Francisco, numa viagem pela PACIFIC COAST, passando por S. BERNARDINO, SANTA BARBARA, SANTA MARIA, SAN LUIS OBISPO,




PASO ROBLES, KING CITY, SOLEDAD, SALINAS, GILROY, SAN JOSE, SILLICON VALLEY até SF.







 onde chegamos às 21,30 horas, ou seja, onze horas de viagem, percorrendo mais de 650 kms.

A costa é bastante bonita. Os restantes passageiros eram na generalidade mexicanos. A viagem fez-se razoavelmente bem. As cidades na sua maioria são demasiado espaçosas, sem se ver durante o dia praticamente ninguém na rua.


MAIO 17 e 18

S. FRANCISCO é uma cidade razoavelmente pequena e muitíssimo bonita arquitectonicamente.




O MOMA,

inaugurado no início do ano, como o restante conjunto de edifícios (YERBA BUENA GARDENS)














é qualquer coisa de bonito e espectacular.












Mas a cidade é muito bonita!









Pena é que o factor humano mostre um grau de decadência impressionante. Excepto a ‘beautiful people‘ do Moma. O hotel situa-se numa zona feia!

Percorri os pontos principais pelo que o cansaço foi imenso.


MAIO, 19

Regressei a LA numa viagem nocturna, que partiu de SF às 22,00 horas, de ontem (dia 18), e chegou aqui às 6,30 horas de hoje, ou sejam, 8,30 horas de viagem.

Claro que não teve as paragens anteriores, apenas SAN JOSE, GILROY. KING CITY e SAN FRANCISCO.

O hotel é muito mal situado também, numa zona de pretos, mexicanos e asiáticos.

A América é feia. E LA não é SANTA MÓNICA ou BEVERLY HILL.

À tarde, após um bom banho, fui a HOLLYWOOD ao famoso WALK OF FAME, que são os passeios da rua, com estrelas douradas e com os nomes de gente do cinema, e ao MANN´S CHINESE THEATER, ver as mãos e pesadas dos famosos, no chão de cimento.

Mas o cinema é mesmo uma ilusão!

Aquilo pouco ou nada tem a ver, bem como o SUNSET BLVD e a palavra ‘Hollywood‘ no HOLLYWOOD HILL, com o que se vê no cinema e, sobretudo, na lendária ‘Noite dos Óscares‘. Só Fama!

Não gosto mesmo de LA., e não é só cansaço, desta longa viagem.


MAIO, 20

Está a finalizar esta viagem - comemorativa dos meus 50 anos - já que o objectivo de emagrecer não deve ter sido grandemente atingido, nomeadamente aqui nos E.U. , que me fartei de comer!.

Estava para ir a ‘Downtown‘, mas acabei por não ir a passar a tarde na PACIFIC COAST WAY a ver os ‘desportistas' e a trabalhar para o ‘bronze‘, que creio bem também ter sido um dos objectivos atingidos.

Passei por SANTA MONICA PLAZA e PROMENADE, após ter comido uma fritada de marisco no SEAFOOD PIER, e terminei a tomar um cockteil no CONGO CAFE. Era bastante bom com licor de Amaretto e natas.

Bom, amanhã é mais uma banhada de aeroporto, já que tenho que sair daqui até ao meio-dia e estar no hotel pelas 15,00 horas. E, preparar-me para uma viagem de mais de 10 horas.


MAIO, 21

Após uma noite duplamente agitada (insegurança na localização do hotel e véspera da viagem de regresso), fui para o aeroporto ao meio-dia para saber que o voo estava atrasado pelo menos duas horas (das 17,25 para 19,25).

Acabamos por partir às 19,35 para chegar a LONDRES às 5,30 (13,30 horas locais), numa viagem agradável na VIRGIN , cujas hospedeiras são um hino à beleza feminina e a qualidade do serviço prestado pela companhia é excelente. Com um televisor individual, localizado na cabeçeira traseira do assento da frente, com seis canais possíveis, vi dois filmes “A little woman “, muito bom, e “Eduardo, mãos de tesoura“, para o menos bom. E o tempo passou-se bem e rápido. Vi a costa canadiana e ártica, à noite. Muito bonito.
 

MAIO, 22

Chegado a LONDRES, às 13,30 horas, fui rápido para o hotel para fazer as compras que necessitava. Feitas estas, regressei ao hotel para me preparar para a viagem final: LONDRES- PORTO.

Mas passei a noite com pouca vontade de dormir, fruto do ‘ gap ‘ horário, do regresso e do colchão, que era duro como uma pedra.

Juntamente com SINGAPURA foi onde me perdi mais nas compras.


MAIO,23

E, estava concluída a maratona da comemoração dos 50 anos, com o regresso a casa, após um pequeno voo de 1,50 horas na BA.

Fiquei satisfeito porque as prendas pareceram agradar à Filipa, Rita e Ana, bem como ao Pai e Dulce.

Mas não era possível mais.

Agora resta fazer o balanço da viagem!!!

 
                                               DISTÂNCIAS  PERCORRIDAS
 

            PERCURSO                       KMS            MILHAS                TEMPO
 
Porto - Londres                                                                                   2,00

Londres - Seychelles                                                                          10,00

Seychelles - Singapura                                                                       7.00        

Singapura - Bali                            1674                  1039                    2,10         

Bali - Sydney                                                                                        5,20

Sydney - Auckland                       2159                   1341                     3,00

Auckland - Nadi                           2156                   1339                      2,30

Nadi - Honolulu                            5107                   3172                      4,30

Honolulu - LA                               4158                   2583                      5,00

LA - Londres                                 9059                   5616                     10,00

Londres - Porto                                                                                       1,50

TOTAL                                                                                                   53,25

Sem comentários:

Enviar um comentário